Anais do Simpósio Cidades Médias e Pequenas da Bahia - ISSN 2358-5293, 2016: V SIMPÓSIO CIDADES MÉDIAS E PEQUENAS DA BAHIA

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

TRABALHO INFORMAL NA ÁREA COMERCIAL DO MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA

Gabriele Sousa Carneiro, Lamaytana da Silva Fortunato, Luiz Claudio Santos Figueiredo, Marcelo Amorim Corrêa, Patrícia dos Santos Francisco

Resumo


O trabalho informal possui grande importância para a movimentação econômica, seja em escala global, nacional, regional ou local. Este por si só movimenta boa parte da economia do comércio urbano. É nesse contexto que essa pesquisa se desenvolve, a qual objetiva refletir sobre a importância do trabalho informal para a economia no município de Feira de Santana-Bahia. A cidade em questão é considerada a segunda maior do Estado, marcada pelo crescimento do subemprego, evidenciado pelo mercado informal, o qual representa 34% dos trabalhadores por setor, conforme os dados da Associação Comercial e Empresarial de Feira de Santana (ACEFS). Para o desenvolvimento deste artigo utilizamos como embasamento teórico as ideias de Brasileiro (2010), Simas (2000) Hirata e Machado (2007), Araújo (2013), entre outros, os quais apresentam discussões de grande relevância sobre o trabalho informal. A metodologia básica que orientou essa pesquisa obedeceu inicialmente uma revisão bibliográfica, a elaboração de um referencial teórico, relacionado com a organização, produção e reprodução do espaço intraurbano, coleta e análise de informações no Banco de Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), da ACEFS, da Prefeitura da Cidade e dos trabalhos realizados pelos diferentes profissionais da Universidade estadual de Feira de Santana. Os estudos e as pesquisas realizadas mostraram, dentre outros resultados, a insatisfação e a precariedade de alguns desses trabalhadores, quanto à carga horária exaustiva de trabalho, muita das vezes sem nenhum conforto, expostos à ação das intempéries. Por outro lado foi diagnosticado um descaso do poder público local para com estes trabalhadores, os quais possuem grande relevância na organização socioespacial na/da cidade. A falta de políticas públicas voltadas para uma melhoria dos serviços prestados por esses trabalhadores gera conflitos entre os diferentes agentes que concebem, percebem e vivenciam o cotidiano da dinâmica espacial. Uma boa parcela desses trabalhadores por terem baixa remuneração engrossa o número de pessoas que necessitam de benefícios oriundos dos programas sociais do Governo Federal.

Texto Completo: PDF

ISSN online: 2358-5293

ISSN cd rom: 2176-5162

 

Periódico vinculado à Rede de Pesquisas Cidades Médias e Pequenas da Bahia (Rede CMP)