Floema. Caderno de Teoria e História Literária, No 11 (2015)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Introspecção e Deslocamento em Angústia

Jobst Welge

Resumo


 O romance Angústia  de Graciliano Ramos foi caracterizado como “existencialista avant la lettre ” (A. Bosi); na crítica brasileira, Angústia é geralmente discutido no contexto de um certo “romance de urbanização” ou de uma linha brasileira de “romance intimista.” A presente contribuição pretende demonstrar detalhadamente o quanto o romance deve a uma herança dostoievskiana, e indicar o quanto partilha com outros textos latino-americanos nessa linhagem “existencialista.” Isso inclui aspectos formais, narrativas e

temáticas, como a forma confissão, a autorrepresentação de uma subjetividade solipsista à margem da loucura, o homicídio/crime como afirmação de pulsões obscuras e moralmente problemáticas ao lado da prática de arte/escritura. Mais especificamente, quero analisar como Angústia  ganha complexidade psicológica através de uma representação da interioridade, servindo-me de

estudos sobre a figuração de processos mentais no romance moderno – e

como esta interioridade patológica corresponde a uma experiência específica

 da modernidade.


Texto Completo: PDF

Floema. Caderno de Teoria e História Literária

ISSN 2177-3629 (versão eletrônica)

ISSN 1807-541X (versão impressa)                                                      floema.cthl@gmail.com

                                                                UESB Edições UESB