Floema. Caderno de Teoria e História Literária, No 11 (2015)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

O Assassinato de Julião Tavares em Angústia, de Graciliano Ramos

Carolina Duarte Damasceno Ferreira

Resumo


 Este artigo se propõe a analisar o assassinato narrado em Angústia, de Graciliano Ramos. A proximidade entre os planos da narração e da ação e da memória e da invenção situa essa cena nas instáveis fronteiras entre sonho e realidade. Esses elementos geram ambiguidades, que impossibilitam saber se o protagonista de fato cometeu o crime ou se este só ocorreu na esfera da imaginação. Embora essa questão não possa ser respondida, pois Angústia  é uma “autobiografia de vanguarda” (FEDERMAN, 1993), em que a memória e a imaginação ocupam o mesmo espaço, essas imprecisões instauram uma interessante relação entre escrita e ação, que evidencia a modernidade desse romance.


Texto Completo: PDF

Floema. Caderno de Teoria e História Literária

ISSN 2177-3629 (versão eletrônica)

ISSN 1807-541X (versão impressa)                                                      floema.cthl@gmail.com

                                                                UESB Edições UESB