fólio - Revista de Letras, Vol. 5, No 2 (2013)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

ÁRABES EM REVOLTAS: NARRATIVAS E REPRESENTAÇÕES DA MÍDIA IMPRESSA BRASILEIRA

Fabio Ferreira Agra, Marcus Antonio Assis Lima

Resumo


Quando se iniciaram as revoltas árabes de 2011, termos como fundamentalistas e radicais islâmicos se sobressaíam nas narrativas da imprensa e contaminaram as primeiras análises destinadas a explicar os objetivos das insurgências. Os interesses da população dos países envolvidos nas revoltas foram minimizados diante dos discursos que a imprensa fez repercutir: o posicionamento das potências europeias, de Israel e, sobretudo, dos Estados Unidos, em relação às revoltas árabes. Este trabalho tem por objetivo, então, fazer uma reflexão sobre as narrativas e representações das revoltas de 2011. A reflexão passa pela teoria do enquadramento, conforme proposição de Entman (1991); considerando que os veículos de comunicação constroem, portanto, representações que, segundo Chartier (2002) “são sempre determinadas pelos interesses de grupos que as forjam”. Além disso, usamos para análise a Teoria Social do Discurso, proposta por Fairclough (2001), como suporte teórico-metodológico.


Texto Completo: PDF

 

 

 

Periódico indexado em:

Latindex   Directory of Open Access Journals   Sumários   Home    width=    ulrich's   rcaap_logo    rcaap_logo   Elektronische Zeitschriftenbibliothek   rcaap_logo   rcaap_logo    rcaap_logo   rcaap_logo   rcaap_logo    rcaap_logo    rcaap_logo         rcaap_logo     Directory of Research Journals Indexin   Home   home   Base   Home   Home

 

 

ISSN: 2176-4182                      revistafolio@gmail.com                      Qualis B1


  ppgcel                                      UESB                                              Edições Uesb                                         IBICT