fólio - Revista de Letras, Vol. 8, No 2 (2016)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

SER MULHER: LIBERAÇÃO FEMININA NA POESIA DE GILKA MACHADO

Júlio Cesar Tavares Dias

Resumo


Gilka Machado, outrora intitulada "a maior poetisa do Brasil" num
concurso literário (1933), foi duramente afligida pela crítica desde sua
estreia (foi considerada, inclusive como uma "matrona imoral") até que esta
chegou, de certa forma, a sufocá-la. Revisitar seus versos mostra um
arrebatamento lírico notável no período de "meia-decadência" do Simbolismo.
Fez ela parte da última corrente do Simbolismo, o Neo-Parnasianismo, ao lado
de nomes como Hermes Fontes, Francisca Júlia e o grande Augusto dos Anjos.
Propõe-se ler os poemas de Gilka Machado, notável pela sua liberdade de
dizer das coisas mais íntimas, dentro de uma discussão ampla sobre os pontos
em que se tocam Erotismo e Literatura e sobre o conceito de
Feminidade e a busca de sua liberação. A presente comunicação objetiva demonstrar como a visão de feminilidade relaciona-se com o erotismo na poesia gilkiana, estando nela sempre presente a consciência das situações de gênero da mulher. Sua sinceridade rude é marca da liberação do desejo feminino. O trabalho contribui para maior compreensão da fase de decadência do simbolismo brasileiro como também das representações do feminino e erótico na literatura feminina brasileira.


Texto Completo: PDF

 

Periódico indexado em:

Latindex   Directory of Open Access Journals   Sumários   Home    width=    ulrich's   rcaap_logo    rcaap_logo    rcaap_logo    rcaap_logo

 

 

ISSN: 2176-4182                      revistafolio@gmail.com                      Qualis B1


  ppgcel                                      UESB                                              Edições Uesb                                         IBICT