fólio - Revista de Letras, Vol. 9, No 2 (2017)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A HORA PRESENTE: ENCENANDO A DOR E O SILÊNCIO EM A HORA DA ESTRELA

Fernanda Valim Côrtes Miguel

Resumo


Neste artigo buscamos realizar uma leitura do romance A hora da estrela (1977), de Clarice Lispector, em contribuição ao dossiê que homenageia os 40 anos de sua primeira publicação no Brasil. As reflexões apontam para o modo como a estrutura narrativa, sua tematização e o tensionamento dos limites da linguagem dão voz aos sons musicais e ao silêncio, criando outras sonoridades possíveis, diferentes daquela que embala a poética da civilização moderna. A hora presente, marcada ao longo de todo o relato, pontuaria uma profunda consciência do escritor/escritora sobre a escuridão de seu próprio tempo. De maneira análoga, este “hoje” demarcaria a trágica vida de Macabéa, destituída de experiências passadas e de um projeto de futuro possível. Nesse sentido, a personagem estaria presa entre o início e o fim, presa na hora exata de um silencioso e doloroso presente.


Texto Completo: PDF

 

 

 

Periódico indexado em:

Latindex   Directory of Open Access Journals   Sumários   Home    width=    ulrich's   rcaap_logo    rcaap_logo   Elektronische Zeitschriftenbibliothek   rcaap_logo   rcaap_logo    rcaap_logo   rcaap_logo   rcaap_logo    rcaap_logo    rcaap_logo         rcaap_logo     Directory of Research Journals Indexin   Home   home   Base   Home   Home

 

 

ISSN: 2176-4182                      revistafolio@gmail.com                      Qualis B1


  ppgcel                                      UESB                                              Edições Uesb                                         IBICT