Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Revista Odeere, publicação semestral do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGREC/UESB) publica trabalhos inéditos e originais desenvolvidos em torno das discussões sobre etnicidade, relações étnicas, gênero e diversidade sexual em diferentes tempos e espaços e abordando diferentes grupos sociais, tais como indígenas, negros, africanos etc

O nome "Odeere" é uma referência ao Órgão de Educação e Relações Étnicas da UESB que desde o ano de 2004 oferece cursos de extensão, especialização e mais recentemente mestrado com o objetivo de formar profissionais para o trabalho com a educação das relações étnicas, de gênero e sexualidades. 

Na revista serão recebidos artigos, traduções, resenhas, entrevistas, relatos de experiência e notas de pesquisas em fluxo contínuo que comporão cada número, juntamente com um Dossiê, cuja temática é definida com antecedência.

Poderão publicar na revista pesquisadores com titulação mínima de doutor, ou que ao menos um dos autores do texto tenha a referida titulação.

Para a seção "jovens pesquisadores" os autores devem ser doutorandos.

Para "resenhas" os autores devem ser pelo menos mestrandos.

No caso dos "relatos de experiência" é preciso apenas comprovar atuação sólida no que está sendo relatado.

Todo o processo de submissão dos artigos deve ser feito através da página da revista.

Em todos os artigos será feita a avaliação cega pelos pares. 

 

A revista publica textos em português, espanhol, inglês e francês.

 

 

 

Políticas de Seção

Expediente

Selecionado Submissões Abertas Não Selecionado Indexado Não Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Artigos

Insira aqui a política desta seção

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Novas/os pesquisadoras/es

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Relatos de experiências

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Entrevista

Não Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Não Selecionado Avaliado por Pares

Resenhas

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares
 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Próximas Edições

Próximos dossiês da Revista

 

DOSSIÊ 2018.2: Afrofilosofias e saberes diaspóricos:

Filosofias pretas nas palmas das mãos

 

 

Organização:

Prof. Dr. Alexandre Fernandes (PPGREC/UESB/IFBA); Prof. Dr. Emanoel Roque Soares (UFRB)  & Prof. Dr. Wanderson Flor Nascimento (UnB)

A filosofia ocidental há muito ignora outros modos de sentir, de existir e de pensar, sabidamente aqueles produzidos em solo africano ou resultantes da diáspora negra, como as afrofilosofias, as pedagogias ancestrais, as religiosidades nagô e iorubá com seus mistérios encruzilhados. Contudo, o epistemicídio, tal como lido por Sueli Carneiro, e o semiocídio, como conceituado por Muniz Sodré, têm sido questionados pela presença cada vez maior e inquietante do pensamento negro nos espaços acadêmicos. Em áreas diversas, na antropologia e no direito, na matemática e na medicina, na estética e no cinema, nos estudos da linguagem e na literatura, problematizam-se os lugares de fala e de representatividade europeias, afirmando: não se filosofa somente em alemão! A filosofia negra se confunde com o corpo negro, qual seja, não ignora o corpo para alçar ao Mundo das Ideias, ao contrário flerta com as rodas de samba e ginga com a capoeira, promove um saber cujo sentido sincopado e em deriva, completa-se com palmas das mãos: negras. Haja vista uma produção pulsante de epistemologias afrocentradas e saberes diaspóricos, a Revista Odeere convida autoras/es para participarem do dossiê “Afrofilosofias e saberes diaspóricos: Filosofias pretas nas palmas das mãos”, remetendo-nos artigos que tematizem a filosofia negra e da ancestralidade em suas várias dimensões, tais como práticas educativas e de produção de conhecimento afrocentrada, afroperspectivada, afro-referenciada, práticas discursivas, estereótipos, estigmas e combate ao racismo, que promovam diálogos entre a afrofilosofia e a Educação, as questões de gênero, etnia e raça, viabilizem interfaces entre a antropologia, a sociologia, o direito e a etnofilosofia.

A Revista recebe em fluxo contínuo resenhas, entrevistas, ensaios, artigos.

Data máxima para envio dos textos: 30 de Setembro de 2018

 

Avaliação

A revista está em seu primeiro ano e ainda não foi avaliada. Entretanto estamos seguindo critérios bem definidos para que ela tenha uma boa nota.

1) A revista é vinculada ao Programa de Pós-Graduação em relações étnicas e contemporaneidade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) com um editor, comitê editorial e conselhos editoriais internos e externos com funções claramente definidas, o que ajuda na consolidação da revista e respectivamente em sua boa avaliação futura.

2) Corpo editorial formado por professores doutores de diferentes universidades do país e de fora do Brasil. Pretendemos aumentar o número de colaboradores internacionais.

3) Publicação semestral de pelo menos 14 artigos, sendo pelo menos 10 de doutores (sem co-autoria) e pelo menos 4 de doutorandos.

4) Cuidado com a periodização da revista, evitando desta forma atrasos na mesma.

5) Indexação em diferentes bases: Sumarios.Org, Redalyc, Diadorim etc.

6) Cuidado com os aspectos formais dos textos: resumos padronizados, identificação de data de recebimento e data de aceitação, identificação da titulação e instituição dos autores.

7) Incentivo a publicações de pesquisadores de outras nacionalidades, bem como em outras línguas, sobretudo espanhol, francês e inglês. 



INDEXADORES: