Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Entre os gregos antigos, politeía designava, comumente, a maneira particular como se estruturava o regime político de uma determinada cidade. Indicava a abrangência da cidadania entre os habitantes de uma dada polis, delimitava – a partir de critérios como local de nascimento do indivíduo ou de seus pais, idade, gozo de liberdade pessoal, posse de propriedades ou de bens móveis, entre outros – as maiores ou menores competências de cada indivíduo no participar das ações de governo. Por politeía, então, indicavam os gregos a forma de governo, a constituição política adotada por uma cidade.

Mas o termo politeía pode se prestar a uma mais ampla acepção. Pois, como também estabeleceram os gregos, é o homem por sua natureza um zôon politikon, um ser que ambiciona e que reclama viver junto a outros homens, viver em comunidade – mais precisamente, em uma comunidade estruturada como polis – única forma de existência que lhe permite alcançar e exercer, em sua plenitude, as habilidades e talentos que lhe conferem singularidade entre os seres vivos.

Assim, mais do que precisar uma forma de governo, a politeía adotada por qualquer cidade específica expressa, mais amplamente, formas peculiares de sociabilidade construídas pelo homem. Politeía, então, torna-se a tradução das soluções encontradas pelo homem para equacionar as demandas e litígios decorrentes da vivência social.

Nesta perspectiva, a publicação Politeia se propõe a veicular a produção científica dedicada a revelar e refletir sobre a complexidade e a diversidade das formas de organização social dos homens no tempo.

É, então, a princípio, uma publicação cuja especialização é a História. Mas uma História amparada por uma matriz epistemológica que a coloca em contraposição à velha História, de feições positivistas, de viés conservador, perseguidora de verdades absolutas, avessa ao experimento e à auto-reflexão. Politeia pretende afirmar e veicular um saber histórico aberto à convivência com as ciências do homem e da sociedade (Sociologia, Antropologia, Filosofia, Geografia Humana, entre outras) e que busca dar conta dos múltiplos níveis e instâncias da realidade dos homens em diferentes temporalidades. Preconiza uma História que se arrisque e avance em territórios pantanosos, descortinando novos campos, fugindo dos jargões das especializações disciplinares que não cultivam a interlocução com outras áreas de conhecimento. Mas, por outro lado, não advoga uma História que renuncie a um estatuto próprio, mergulhando numa espécie de niilismo epistemológico, pretendendo, antes, afirmar tal estatuto de forma não dogmática, aventurando-se por fronteiras conquistadas pela razão prática, experimental, sensível e reflexiva.

A referência à politeía dos gregos, portanto, não expressa a mera busca por um epíteto. Ela, ao contrário, revela uma concepção alargada, rica, complexa e plural do passado das sociedades humanas, cujo processo de resgate, compreensão e explicação não pode, absolutamente, se constituir em monopólio do historiador de ofício.

Mas, de qual História estamos a falar? De que passado queremos fazer referência? Que sociedade temos em mira? Não se trata aqui de retomarmos velhos debates, muitos intermináveis, de caráter epistemológico e, inevitavelmente, político-ideológico, que cercam tais reflexões. Queremos apenas enunciar algumas proposições que devem sinalizar o horizonte no qual se situarão os parâmetros de convivência e de elaborações intelectuais e acadêmicas comuns aos proponentes da Revista Politeia.

Preservar, lembrar e reconstituir o passado são práticas sociais recorrentes a todas as sociedades e culturas. Entretanto, ao contrário do que propôs o racionalismo positivista, os procedimentos epistemológicos e metodológicos de explicação do passado, em suas várias formas, não são absolutos, neutros e destituídos de conteúdos ideológicos e políticos. A história não está dada, aprioristicamente. É sempre um ato marcado pela subjetividade, permeado pelos condicionamentos sociais da práxis humana.

Essa dimensão subjetiva da realidade histórica é particularmente acentuada nas sociedades complexas e diferenciadas, hierarquicamente, em grupos e classes sociais que experimentam situações materiais e culturais distintas e, por isso mesmo, elaboram, difundem e assimilam suas próprias representações do passado.

A operação de resgate da história é, então, uma estratégia discursiva que compõe os mecanismos de reprodução de visões de mundo que interessam, de forma mediata, ser difundidas pelos grupos, camadas, classes e frações de classes presentes em determinados períodos históricos. Daí porque o passado, a história, tem sido objeto de disputa, sendo (re)elaborado e (re)pensado segundo a ótica dos múltiplos projetos sociais em jogo no presente, assim como os procedimentos de silenciamento, de ocultação, de deformação de acontecimentos, de personagens, de fases, episódios e processos históricos. Não obstante, isso não quer dizer que o estudo das sociedades passadas não possa ser conduzido cientificamente. O que está em jogo é a concepção de ciência histórica, seus pressupostos epistemológicos e instrumentais metodológicos.

Assim, é fundamental cultivar e valorizar uma visão de história que enfatize as relações estruturantes dos diversos processos, reconhecendo que a realidade histórico-social é una, porém multideterminada e obra de sujeitos coletivos, de grupos e classes sociais que agem de forma plural em diferentes espaços e situações, não cabendo, ontologicamente, a sua segmentação e fragmentação. Nessa linha, portanto, é necessário apreender as diversas formas de existência, expressão e representação das distintas classes, grupos e hierarquias sociais no interior de sociedades concretas. E, ainda, não perder de vista a presença e o contributo das camadas e segmentos marginalizados, silenciados pelo discurso hegemônico, bem como o papel que desempenharam na conformação dos produtos históricos.

Impõe-se que compreendamos a memória social, em suas diferentes manifestações, como portadora de verdades históricas e como estratégia para a construção de identidades e de afirmação cultural dos diferentes grupos étnicos ou sociais. Neste sentido, é relevante o incentivo à identificação, ao resgate, à preservação e difusão da memória histórica local e regional, estimulando a formação de uma consciência de coletividade e de destinos comuns, adstritas aos múltiplos agentes históricos constitutivos do todo social.

Ao lado dessas preocupações com relação às práticas historiográficas, não podemos, ainda, perder de vista a crescente valorização que o passado, isto é, a História, em suas diferentes formas de expressão, tem despertado em vários grupos sociais e de interesses. Tal valorização manifesta-se, por vezes, de forma contraditória, envolvendo desde os movimentos político-sociais, em busca de referenciais identitários, até a mídia sensacionalista e os agenciadores de lazer, incitados pela apropriação fácil e mercantil dos vestígios e legados dos homens de outras épocas. Embora esse seja um território um tanto quanto vago, impreciso e quase sempre impermeável às elaborações acadêmicas, tais grupos sociais e de interesses expressam estratégias legítimas de apropriação do passado e alimentam, de qualquer modo, interesse pelo diálogo dos tempos.

Dessa forma, Politeia se propõe a perseguir uma dupla meta: primeiramente, aspira se constituir em instrumento de aglutinação de diversos segmentos da comunidade acadêmica, estimulando a convivência, o debate e a reflexão em torno de temas de natureza histórico-social de interesse comum, produzindo e promovendo a difusão e a troca de saberes social e culturalmente significativos. Em outro nível de relevância, Politeia pretende se mostrar aberta ao pulsar da sociedade como um todo, na tentativa de fazer prosperar a consciência de historicidade do presente e, por isso mesmo, a necessidade de se preservar e recuperar os múltiplos mecanismos pelos quais as ações humanas, no tempo, possam ser compreendidas e explicadas de forma mais sistematizada.

 

Políticas de Seção

Dossiê Temático: Saberes Urbanos - Amilcar Torrão Filho (Org.)

Editores
  • Amilcar Torrão Filho
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Ensaio

Editores
  • Luiz Magalhães, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
  • Rita de Cássia Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Artigos

Insira aqui a política desta seção

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Resenhas

Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Não Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático Escravidão: da Antiguidade à Modernidade - Maria de Fátima Novaes Pires (Org.)

Editores
  • Maria de Fátima Pires, Universidade Federal da Bahia (Ufba)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático: Inquisição, Poder e Sociedade - Grayce Mayre Bonfim Souza (Org.)

Editores
  • Grayce Mayre Souza, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático: Poder e Política na América Portuguesa - Fabrício Lyrio Santos (Org.)

Editores
  • Fabrício Santos, UFRB
  • Avanete Sousa, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático: História e Literatura - Rita de Cássia Mendes Pereira (Org.)

Editores
  • Rita de Cássia Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático: Oralidade, Escrita e Poder no Império Romano - Márcia Santos Lemos (Org.)

Editores
  • Márcia Lemos, UESB
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático: Filologia e História - Marcello Moreira e Marcia Arruda Franco (Org.)

Editores
  • Rita de Cássia Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares

Dossiê Temático: Sertões do Brasil. Governo, Administração e Conexões Culturais - Isnara Pereira Ivo (Org.)

Editores
  • Rita de Cássia Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
Selecionado Submissões Abertas Selecionado Indexado Selecionado Avaliado por Pares
 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 


ISSN: 1519-9339 (versão impressa)

ISSN: 2236-8094 (versão on line)