Anais da Semana de Agronomia da UESB (SEAGRUS), Vol. 1, No 1 (2017)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DIFERENTES MÉTODOS E TÉCNICAS NO LEVANTAMENTO E MAPEAMENTO PLANIALTÍMETRICO

Rita de Cássia Freire Carvalho, José Renato Emiliano Santos, Luana Menezes Vianna, Odair Lacerda Lemos

Resumo


A evolução dos aparelhos topográficos, o advento de imagens de satélite, do Sistema Global de Navegação por satélite (GNSS) e aparelhos receptores cada vez mais sofisticados surgiram para revolucionar os levantamentos topográficos. A técnica de medição de altitude conhecida como altimetria é a mais utilizada no levantamento topográfico, essas medidas podem ser obtidas através de receptores GNSS. Com isso, o objetivo do presente trabalho foi comparar o desempenho de diferentes métodos e técnicas no levantamento e mapeamento planialtimétrico, com diferentes equipamentos de posicionamento e processamento. A coleta de dados para comparação foi realizada em área experimental da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB, e foram utilizados o receptor geodésico: JAVAD, o receptor topográfico MM10, o receptor de navegação Etrex 30. Para a determinação dos pontos de coleta, utilizou-se uma malha de 40 pontos regulares espaçados de 30x30 metros e ainda foi utilizada uma imagem SRTM para comparação. Os dados de altitude passaram por uma correção por meio de processamento e em seguida foram tabulados no excel e comparados entre si. Após a realização da estatísticas dos dados foi elaborado o Modelo Digital do Terreno, e obteve-se as curvas de nível e diferenças de altitudes com auxílio do software ArcGIS 10.1. Assim, conclui-se que a utilização de receptores geodésicos e topográficos sem pós-processamento, bem como receptores de navegação e imagem SRTM para medições de altitude, devem ser evitados devido as grandes diferenças encontradas nas altitudes medidas por estes aparelhos quando comparadas com as altitudes dos receptores geodésicos pós-processados.

Texto Completo: PDF