Anais da Semana de Agronomia da UESB (SEAGRUS) - ISSN 2526-8406, Vol. 1, No 1 (2017)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

CARACTERIZAÇÃO QUÍMICO BROMATOLÓGICA DA BIOMASSA FÚNGICA DO RESÍDUO AGROINDUSTRIAL DO MARACUJÁ

Andrezza Miguel da Silva, Cristiane Leal dos Santos-Cruz, Suely dos Santos, Marcelo Franco, Lucas de Aragão Santana, Deise Jaqueline do Carmo Santos

Resumo


Objetivou-se identificar a composição químico bromatológica do coproduto proveniente do processamento do maracujá fermentado através do uso do fungo Aspergillus niger para uso na alimentação de ruminantes. Foi realizada a fermentação em estado sólido do coproduto in natura de maracujá com a inoculação do A. niger. A biomassa após fermentação foi submetida ao processo de pré-secagem com posterior trituração em moinho e passagem em peneira, seguindo para análise do teor de matéria seca, matéria orgânica, proteína bruta, extrato etéreo, fibra em detergente neutro, fibra em detergente ácido, matéria mineral e lignina. O teor de matéria seca, matéria orgânica, proteína bruta, extrato etéreo, fibra em detergente ácido, fibra em detergente neutro, lignina e matéria mineral foi de 62,71%; 95,35%; 11,80%; 4,05%; 54,33%; 38,82%; 12,21%; 4,65%; respectivamente. A composição químico bromatológica da biomassa fúngica do coproduto do maracujá, fermentada com Aspergillus niger apresenta considerável qualidade nutritiva, além disso, o teor proteico apresentado atende as exigências mínimas dos ruminantes e apresenta potencial para uso na alimentação de ruminantes.

Texto Completo: PDF

ISSN 2526-8406